Frete Grátis para Sul e Sudeste a partir de R$ 249 | Frete Grátis para as demais regiões a partir de R$ 399
Como educar os sentimentos das crianças

Imagine que sua garotinha tenha pouco mais de 1 ano. Com essa idade, e o vocabulário ainda escasso, ela não consegue se expressar tão bem. E aquela birra que ela fez que você achou feia, no final, poderia ter sido uma insatisfação enorme com algo que você não entendeu. Agora pense no seu garotinho de 4 anos que, de repente, começou a chorar. Ao tentar conversar, ele diz apenas que está com fome. Algo bem simples de resolver, certo?

As duas situações trazem à tona aquilo que os pequenos sentem - e nem sempre identificamos ou entendemos. E isso faz parte da maternidade e da paternidade. Aos poucos, conseguimos educar os sentimentos das crianças frente às situações. É a construção da estrutura psíquica e emocional delas.

Reprimir os sentimentos é algo perigoso

Você rebate a birra com voz alta ou diz para o pequeno não chorar? Essa posição não é nada produtiva na hora de educar os sentimentos das crianças. Papais e mamães amam seus filhos, isso é incontestável. Mas precisamos aprender a lidar com todas as emoções que eles têm. Assim como nós, elas se irritam, sentem raiva, frustração e tristeza. Reprimir esses sentimentos é fechar os olhos para essa mensagem que eles querem nos passar.

Emoções são respostas naturais que não controlamos. Elas podem ter várias causas. A primeira vez que você leva sua pequena para o carnaval pode ser um caos. Apesar da diversão da festa, é um tanto de gente! Se ela não entende o que está acontecendo, pode se sentir com medo. Se ela perde uma brincadeira com você, se sente frustrada. São mensagens que papais e mamães recebem. E as emoções, além de sentidas, precisam ser liberadas. 

Reprimi-las é uma forma de dizer para as crianças que os sentimentos não importam. Elas se afogam naquele desconforto, porque entendem que não devem expressá-lo. Com essa conduta, nós rejeitamos a identidade daquela pessoa já na infância. Não podemos exigir um comportamento ideal baseado no medo e na negação das emoções. A palavra é sempre compreensão. É ela quem auxilia a desenvolver a inteligência e a linguagem emocional. E isso é um passo para o autoconhecimento.

Trabalhar o autoconhecimento desde cedo é desejável

Crianças que não têm suas emoções reprimidas se tornam adultos capazes de lidar com os sentimentos próprios e dos outros. É uma expansão do bem-estar. Toda família deseja que seus filhos tenham isso. Quando os incentivamos a falar sobre suas emoções, aparece o vocabulário emocional. Para educar os sentimentos das crianças, precisamos ser receptivos. Elas começam a identificar o que estão sentindo.

Isso é trabalhar o autoconhecimento, que nada mais é do que nomear nossas emoções e sentimentos. E se conhecer é a base da inteligência emocional. Quanto mais ferramentas as crianças têm para se compreender, maior suas habilidades. Educar os sentimentos da criança é, por isso, trabalhar o autocontrole, as habilidades sociais e a tomada responsável de decisões. 

Presença e limites são fundamentais

Lidar com os sentimentos dos pequenos nem sempre é fácil. Principalmente se nos irritam. Uma birra pode fazer a mãe perder a linha. Um choro pode virar o pai de ponta cabeça. Mas a compreensão e a escuta são o norte, lembre-se disso sempre. E, para isso, é preciso se fazer presente. Se seu filho chora, perceba atenta e verdadeiramente o que está acontecendo. Muitos papais e mamães não conseguem ter tempo de qualidade com seus pequenos. E isso pode ser muito complicado na hora de educar os sentimentos das crianças.


“Ah, então meu filho chora e, porque não estou presente, devo dar a ele o que pede?” Não. 


Apesar da culpa que sentimos pela ausência indesejada, os limites fazem parte da educação emocional. As crianças devem sustentar algumas de suas frustrações. Ela não deve estar sempre feliz e realizada, senão jamais conseguirá lidar com contrariedades. 

Por isso, dizer “não” é importante. Fazer seu filho entender os combinados feitos é importante. Tudo isso constrói a personalidade e os recursos emocionais.


Papais e mamães preocupados em educar os sentimentos das crianças podem se utilizar da linguagem lúdica. Pense em criar um álbum compartilhado de emoções e sentimentos, reunindo fotos. Faça brincadeiras de “Agora eu me sinto...porque…”. São formas de explorar o pensamento e a verbalização dos sentimentos.


Uma outra prática ótima para educar os sentimentos das crianças é a leitura. Veja os melhores livros infantis para seus filhos!

  • Feb 27, 2020
  • Categoria: Posts
  • Comentários: 0
Título