Frete Grátis para Sul e Sudeste a partir de R$ 249 | Frete Grátis para as demais regiões a partir de R$ 399
Relacionamento de pets com os bebês recém chegados

Relacionamento de pets com os bebês recém chegados

16 Mar, 2021

Novo membro na família, nova rotina, nova atenção. A entrada de um bebê em casa provocará uma revolução em papais, mamães e irmãozinhos, mas também nos pets. Quem tem animais de estimação sempre fica em dúvida sobre como eles se comportarão. Como ficará o relacionamento dos pets com o bebê recém-nascido?

O primeiro ponto é saber que os pets notam as alterações em casa e a menor atenção que será dedicada a eles. As mudanças de humor virão. Mas essa é uma relação muito positiva para a criança, porque os animais de estimação estimulam o cuidado e o carinho. O bebê aprende, desde cedo, a demonstrar afeto por outros e a tratá-los com respeito. E vamos à parte prática. O cachorro ficará com ciúme, sim. Afinal, perdeu o “status de filho único”. Na verdade, o sentimento é o de “reter recursos”, porque deseja que as pessoas lhe façam companhia e deem atenção. Por isso, também se mostrará carente, já que os cuidados se voltaram ao bebê. Então, pode esperar coisas típicas, como pular, uivar e latir, porque ele tentará chamar a atenção.

Mas os cachorros não ficam agressivos com a chegada do novo membro. Eles podem ficar frustrados, tensos e apreensivos com a mudança em casa, e esses sintomas são confundidos com agressividade. Por isso, é muito importante realizar os preparos para a vinda do bebê. Deixar o cachorro cheirar as roupas, os objetos e o carrinho do bebê é interessante.

Assim, o cão se acostuma com os novos elementos e fica bem com a transição. Ele saberá que há uma nova pessoa na casa pelo cheiro e pelo barulho do bebê, bem como pelo comportamentos de papais e mamães. A dica aqui é agir naturalmente. Os pets podem ser grandes amigos dos bebês, ainda que tenham perdido o “trono da atenção” da casa. Isso é bastante comum. Mas a aproximação entre eles deve ser feita quando a situação estiver controlada, positiva.

Outra dica importante é não deixar os animais sozinhos com o bebê, porque o pequeno pode ter ações imprevisíveis (puxar o pelo, o rabo ou as orelhas), e o pet reagir de forma instintiva àquilo, pois não está acostumado. Aos poucos, o cão se acostumará a ser tocado no pelo, no rosto, nas orelhas e nas patas.

E quanto à higiene? Os pets colocam em risco a saúde do bebê? Não, desde que o animal tenha tomado todas as vacinas necessárias e esteja com a saúde em dia. Por isso, outra dica importante é levá-lo ao veterinário para avaliar se tudo está bem. Vermes, doenças de pele e distúrbios de comportamento podem afetar a saúde do bebê. Vale também pedir dicas ao pediatra sobre esse relacionamento.

Por fim, tenha ainda outros cuidados básicos, como:

● Caso tenha um jardim, separe as áreas do bebê e do animal. Se não for possível, veja as condições de higiene antes de deixar a criança brincar no local;

● Vigie o animal de estimação quando estiver perto da criança, porque pode apresentar sinais de perigo (arranjar, avançar ou morder a criança);

● Evite deixar o pet transitar pelo quarto em que o recém-nascido dorme ou dividir a mesma cama para dormir;

● Leve seu pet ao veterinário imediatamente caso ele fique doente e o mantenha longe do bebê;

● Seu bebê foi arranhado ou mordido? Desinfete o machucado e leve-o ao pediatra;

● Mantenha as tigelas de comida e água do pet longe do alcance do bebê;

● Mantenha o espaço do animal de estimação sempre limpo;

● Deixe a comida do pet longe dos alimentos da família;

● Higienize as mãos e as do bebê após tocar o pet.

Título